segunda-feira, 25 de junho de 2012

O esgotamento do PIB

ATUALIZADO ÀS 21H57

- O modelo de métrica do PIB (Produto Interno Bruto) está ultrapassado, teoricamente. Não consegue abarcar a complexidade dos componentes que medem a qualidade de vida.

- No contexto do desenvolvimento sustentável, o PIB apresenta inconsistências. Por exemplo, a questão da depreciação, que não é levada em conta pelo indicador. Ou seja, se um país acaba com boa parte de suas reservas, seu futuro está comprometido. Mesmo países que não possuem grandes reservas naturais e são desenvolvidos, afinal dependem da importação.

- O PIB leva em conta apenas o momento de retorno positivo da exploração , isto é, não leva em consideração as consequencias. Outro ponto frágil do PIB é que ele não mede níveis de renda; o PIB per capita pode subir num país, mas isso não significa que os mais pobres tenham se tornado menos pobres. Com isso, pode-se, inclusive, fomentar o encobrimento da real concentração de renda.

- O momento de debates sobre novos padrões de produção e consumo, com mudanças de paradigmas na economia, exige, portanto, nos critérios de métrica para o desenvolvimento.

- Talvez, a principal contribuição da "consciência verde" seja o de promover a substituição (lenta, mas constante) dos indicadores de desenvolvimento. Não só levando em conta produção industrial, mas também fatores educacionais, de segurança pública, saúde, acesso à moradia digna, cultura etc.




Nenhum comentário:

Postar um comentário