segunda-feira, 2 de julho de 2012

A Saúde na Rio+20, por Temporão

Nos últimos meses, o projeto para o qual trabalho na Agência Dinheiro Vivo (do jornalista Luis Nassif), o Brasilianas.org, passou a contar com a coloboração de muitas pessoas das mais diversas áreas e funções. Estamos reunindo colaboradores para escrever colunas sobre energia, segurança, saúde pública, educação, ciência etc. Temos de acadêmicos e representantes da sociedade civil até ex-ministros.

E é exatamente um ex-ministro um dos colunistas mais ativos. Falo de José Gomes Temporão, ex-ministro da Saúde e atual diretor-executivo do Instituto Sul-Americano de Governo em Saúde e consultor da FGV Projetos. Desde que comecei o contato com Temporão, não só para entrevistas, mas também para participações em seminários, tenho acompanhado a atuação dele em nosso portal, escrevendo artigos regularmente, participando ativamente dos debates na Internet, enfim, fazendo parte do jogo colaborativo que estamos construindo.

Coloco aqui no blog o artigo mais recente, publicado na página dele no Brasilianas.org.Clicando aqui, você tem acesso ao blog do Temporão. Abaixo, artigo sobre os avanços das discussões da Rio+20 em relação à Saúde.
----------

O encerramento da Conferencia das Nações Unidas Sobre o Desenvolvimento Sustentado, trouxe uma série de críticas de organizações não governamentais e de especialistas sobre seus resultados práticos. Mas em um campo específico do conhecimento, o da saúde pública, houve avanços consideráveis. Em um primeiro momento ainda na elaboração do documento preliminar, a saúde sequer aparecia. Uma série de iniciativas lideradas pelo Brasil e seus parceiros da UNASUL, conseguiu inscrever no documento final da conferencia um capítulo sobre saúde.

O que soava absurdo ao início do processo, a saúde omitida das relações entre desenvolvimento e sustentabilidade, ganhou espaço e consistência e passou a incluir uma visão contemporânea da saúde e seus desafios.

Do conteúdo aprovado no relatório destacam-se alguns tópicos:

· Relaciona os objetivos do desenvolvimento sustentado, ao processo de conquista de um "estado de bem-estar físico, mental e social"

· Medidas que atuem sobre os determinantes sociais e ambientais da saúde, são importantes para ampliar a inclusão e reduzir iniquidades.

· Reconhece a importância da estruturação de sistemas universais que visem proporcionar uma cobertura universal equitativa.

· Ultrapassa a visão dos objetivos de desenvolvimento do milênio ao ampliar seu olhar para as doenças crônicas não transmissíveis, principalmente o câncer, as doenças cardiovasculares, o diabetes e as doenças respiratórias crônicas; muitas delas afetadas fortemente pela poluição do ar nas grandes cidades, como também da contaminação de alimentos e da agua por pesticidas e agrotóxicos.

· Reafirma o direito de aplicar as legislações sobre propriedade intelectual relativas ao comércio, e aplicação da declaração de DOHA; tema de grande importância para ao acesso universal aos medicamentos essenciais.

· Frisa os compromissos relativos a saúde sexual e reprodutiva, garantindo o planejamento familiar e a saúde sexual e de incluir a saúde reprodutiva nas estratégias e nos programas nacionais. Aqui, lamenta-se que por pressão da igreja católica, a questão dos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres, tenha sido retirado com essa redação do relatório final. Incrível que tema tão importante para a saúde de mulheres e de homens tenha ficado de fora do texto.

Fica um relatório final polêmico, fortemente rejeitado por uns e enaltecido por outros, onde a saúde após um início de exclusão e fragilidade ganha espaço e consegue colocar temas importantes para saúde dos povos em todo o mundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário